quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Não me esqueças.


Não me esqueças meu amor, meu bem, no dia em que fores.
Quando te fizeres ao caminho, para longe, leva-me contigo,
Escondida no bolso do teu eterno terno castanho ultrapassado,
Escondida, embrulhada, no pequeno lenço de linho dobrado.

Meu bem, meu amor, quanto te fores não te esqueças de mim.
Leva-me na tua alma, na dobra do lençol branco do teu leito,
entre as tuas mãos protegida, guardada no ninho do teu peito.
Não me esqueças meu querido, meu anjo, é só o que desejo,
Não me esqueças mesmo que não planeies o teu regresso.
Não me esqueças meu amor, minha alma, é só o que te peço.

Porque eu, desgraçada, por muito que tente não te esqueço,
Por muito que me sacuda, esvazie os bolsos, solte a corda.
Tento deixar-te no fim do passado, tu apareces no começo.
Abandono-te, mas tu encontras sempre o caminho de volta.

Por isso não me esqueças meu bem, mesmo que morta.

Fotografia by Allanah (aka Maninha) Freeinspiration.blogspot.com

15 comentários:

Krippmeister disse...

Mais uma delícia literária. Esta moça não pára, e ainda bem.

Adorei.

Abobrinha disse...

Joaninha

Está giro, mas um pouco lamechas demais para mim. Fazendo a ressalva da lamechice (tinha que te chatear um bocadinho), a estrutura está cuidadíssima e o tema é lindíssimo.

Suponho que a foto seja mais um aspecto da "princesa dourada". Muito gira!

Feitixeira disse...

Um Amor assim não se esquece!

Beiijinhos de apreço***

Joaninha disse...

Abobrinha,

Fiz disparar o lamechometro!!!Oié

O olho é do principe da princesa acho eu, tens de lhe perguntar, não é dela que ela tem os olhos quase pretos.
Obrigada pelo elogio;)

Joaninha disse...

Feitixeira,

É verdade, não se esqueçe....

antonio disse...

As meninas bonitas são assim, julgam-se caber em qualquer cantinho nosso, numa dobra da nossa alma, numa prega do nosso coração.

Depois, depois crescem e viram mulheres, agarradas aos Bigus desta vida... mesmo quando mal cheirosos.

Joaninha disse...

Krippmeister,

Obrigado pelo elogio, mas este já estava escrito faz tempo, foi só alterar (bem alterei quase tudo) e postar, assim é facil e dá a impressão que eu escrevo isto em 5 minutos o que é cool ;)

Joaninha disse...

António,

Mas as mulheres bonitas também cabem em qualquer cantinho e ficam bem em qualquer lado, ou não?

Joaninha disse...

Coitadinho do Bigu, virou saco de pancada do António, vá lá, não o trate mal que ele não é muito cheiroso mas é amoroso ;)

Abobrinha disse...

Joaninha

Bem, se é o príncipe de outrem, então não gosto: homens comprometidos são pouco interessantes. E depois, há mulheres perfeitamente irracionais quando pensam que lhes tocam nos homens (sendo verdade ou não, às vezes não parece fazer diferença).

Não queres vir comentar o rabo da Simone de Beauvoir? Entre outras coisas, não sei se é uma maneira legítima de dizer "não a esqueçam". Mesmo porque pode não ser o rabo dela e ela não o autorizou.

Abobrinha disse...

Mmmm... olhos quase pretos? Isso é giríssimo! Muito exótico!

Jose Gonçalves disse...

Quem consegue esquecer um grande amor?
Lamechice? Pois sim abelha...
Eu gostei...
José Gonçalves

Joaquim Simões disse...

Belo poema, Joaninha! Tenho que passar por aqui mais vezes!

Joaninha disse...

Bem vindo Joaquim, obrigada pelo elogio.
Passe sim as vezes que quizer e deixe o seu testemunho.

Anónimo disse...

para quando um livro?