sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Cor de rosa

Não me mantêm o Outono, as asas abertas ao vento, asas de papel crepe cor de rosa.
Cor de rosa porque dizem os incautos que, se pudesse ter nascido cor, a natureza sábia me teria feito cor de rosa pálido, meloso e frágil.
Digo, falta a essas ingénuas almas o conhecimento do meu lado que veste preto, diária, meticulosa e furiosamente. Deixá-los pois rosar mais ainda a minha imagem, por dentro o preto sempre é anunciador e denuncia, como o Outono é denunciador e anunciador do inverno.
Não me mantêm controlado, o Outono, o lado mais solarengo de verão que queria fosse sempre a minha eterna e interna fachada.
Raios mais as ventanias selvagens Outonais! que sopram, uivam e sibilam atrás das vidraças da marquise. Eu não as deixo entrar, mas elas infiltram-se pelas frinchas forçando.
Necessito manter o meu calor junto ao peito. Necessito manter intactas as minhas asas de papel crepe cor de rosa.
Tudo isto, tanta roda cor de rosa apenas para vos dizer, ando pouco inspirada, e para o negro maçador tendem as minhas linhas rabiscadas.
Deixo-vos então por breves momentos, vou em busca do meu cor de rosa.
Mas volto em breve, com ou sem asas :)

20 comentários:

antonio - o implume disse...

As asas em que voamos são frágeis como o papel crepe, só os sonhos as tornam fortes... a tua escrita faz-te voar Joaninha.

André Couto disse...

Voei empoleirado nas tuas asas de papel crepe rosa. Do cimo da tua imaginação que divulgas faltar pude ver o invisível infinito da tua aprazível escrita.
Gostei muito.

Tiago R Cardoso disse...

gostei...

mas também eu adoro o outono e o Inverno.

Rui Figueiredo Vieira disse...

Lindo, muito bem escrito, aliás como sempre! ;-)

Joaquim Simões disse...

Boa!!!
Este fica no teu top 25!
Venham mais!
Entretanto: tenho andado mesmo sumidinho, como comentaste lá pelos meus lados. E estou em falta com algumas pessoas além de ti, em especial com a Abobrinha e o Alf. Mas tenho neste momento um péssimo horário de trabalho, daqueles que só dão para ficar estendido a ouvir as unhas a crescer quando chego a casa (como dizia não sei já quem).
Beijinhos

Allanah disse...

Quem dera a muitos ter falta de inspiração como tu... ;) Minha irmã escritora. Beijos, beijos.

Allanah disse...

Quem dera a muitos ter falta de inspiração como tu... ;) Minha irmã escritora. Beijos, beijos.

Maria Manuela disse...

Cá te espero
:)

Salto-Alto disse...

Voltas com asas e graciosa como sempre. :)

Confesso que já tinha saudades de te ler.

Beijocas!

Joaninha disse...

António,

Faz, mas neste estou tentando adaptar-me à minha nova realidade, acho que isso me suga um pouco a força para escrever. Tenho, neste momento de me concentrar na realidade, e ao contrario de uns e outros eu não sei, não consigo escrever sobre a realidade.
beijos

André,

Agora deixaste-me sem resposta.
Obrigada :)
beijos

Tiago,

Eu também. :)

Rui,

Lá está, deixam-me sem resposta, ainda bem que o meu coranço não aparece nos comentários :)
Obrigada e um beijo.

Joaquim,

Que bom ter-te de volta. Olha que aqui não há obrigações, mas eu gosto quando passas por cá :)
beijos e obrigada pelo elogio.

Manuncha may love.

Gracias querida, es uma fofa linda.

Manuela,

Vou tentar não demorar muito.
beijos

Salto,

Eu tb já tinha saudades das tuas visitas. Deixas-me sempre o ego em alta. :)
Obrigado linda
beijos

Ferreira-Pinto disse...

O rosa e o preto fazem uma mistura fantástica e explosiva!
Por isso, há que continuar ...

Pequito Romero disse...

"Esta joaninha tem um esvoaçar gracioso e belo. Tão belo que mesmo num jardim pintado de rosa, são as pequenas pintas pretas das suas asas que chamam a atenção", escreveu Pequito no seu diário.

Krippmeister disse...

Desinspirada dizes. E depois vêm-te à cabeça estas linhas deliciosas de se ler.

:-)

alf disse...

Oh pá, isto está mesmo muito bom! O teu lado «preto» é a força do teu talento. E que força!!!

Apetece-me agradecer-te por teres produzido um momento destes: Obrigado!

antonio - o implume disse...

A realidade que nos oprime não é nova... é a velha lenga lenga de sempre!

Joaninha disse...

Krippa,

És um querido tu!
beijos

Alf,

Não me agradeças, eu é que agradeco o enorme elogio e a tua paciência para passar por aqui e ler as minhas babuseiras ;)

obrigada e um beijo

Carol disse...

Ó pá, eu também te queria dar novidades, mas ando cheia de trabalho e o tempo para a poesia tem sido pouco. Para além de a coisa precisa de inspiração para se dar... ;)

Quanto ao teu texto, está muito bom as always!

Carol disse...

Tenho uma novidade, mas não é um poema...

Blondewithaphd disse...

Bem, tu volta de preferência lá com as asitas inteiras qu'isto de aterrar sem asas deve doer horrores, não falando em partir ossitos! Bem, se fores morena, o rosa até não destoa e, já agora, fúchsia é um rosa muito fashion!

Salto-Alto disse...

Que fique bem claro que o que comento não é por simpatia nem para meramente levantar o ego, é mesmo porque sinto o que digo.

Beijocas!