terça-feira, 22 de julho de 2008

Raizes

Mediste?
Que ódio.
Voltaram.
Mas desta vez
Não ficam,
Não deixo...
Será?
Fico sem toca,
Sem ninho.
Sem o meu próprio cheiro.
Vou ficar sem chão?
Cortam-me as raízes
Eu sangro...
Não lhes dizes?

12 comentários:

Break Silence disse...

Diz tu a ti própria, cria tu própria as tuas raízes onde te sentires mais segura.
Beijos

Carol disse...

Ah, poetisa!

Joaninha disse...

Obrigada Carol :)

Break,

Era bom se fosse assim tão facil, mas obrigado pelas palavras.

Rafeiro Perfumado disse...

Por momentos pensei que estivesses a falar de verrugas...

PS: não te ficas a rir, também te linkei, toma!

Joaninha disse...

Rafeirote,

Não não são verrugas infelizmente, são sacanices coisas bem diferentes.

Ai linkas-te já lá vou ver isso ;)

beijos

antonio disse...

Um ninho deve ser assim: impregnado do nosso cheiro.

Abobrinha disse...

Joaninha

Toda a gente tem que ter um lugar no mundo onde chamar casa para regressar de vez em quando. Às vezes não é um lugar físico mas mental, mas as raízes têm que assentar em algo sólido senão o equilíbrio é abalado. Mas a árvore continua bela e forte, porque as raízes não assentam só em terra.

Abobrinha disse...

Depois temos as abóboras, que são grandes de carago e têm umas raízes ranhosas! Mas isso já tu desconfiavas, certo?

leprechaun disse...

Ó Joaninha dos bichinhos... abre as asas ao risinho... que chegou o mor anjinho! :)

– Receio que só tenha três semanas de vida – disse o médico para o paciente.
– Então, escolho as últimas duas semanas de Julho e a semana entre o Natal e o Ano Novo.


Bem, não tarda muito e só falta uma...

Rui leprechaun

(...a 2009 o (gno)morto feliz ruma! :))

Perla disse...

Todos os bichos gostam da sua toca... e não gostam de a ver invadida.
O bicho homem também é assim.
Mas por vezes também se tem que partilhar...

Bjs

alf disse...

Belo desabafo! Em vez de palavrões... poesia! Não é para todos... e está muito bem

Joaninha disse...

Alf,

Arranquei-te um elogio? VIVA!

Beijos :)