sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Um Ponto (ensaio)

Um ponto, sem marca, sem linha, sem género, sem conto. Um ponto, simples, sem gente, sem história, sem nó. Um ponto que sentia a falta que me fazias, a alegria que me trazias enquanto tínhamos outros, tantos, muitos pontos pela frente.
Um ponto, sem rima, sem virgula, sem texto. Um ponto só, um ponto intenso, que era o ponto exacto do meu pensamento e era único naquele ponto do tempo.
Um ponto que foi de esperanças, alegre, cheio de lembranças, é agora um ponto de fiascos, de tempos difíceis, de enormes fracassos, vazio de abraços.
È nesse ponto exacto, exactamente nesse ponto que deixo cair o fardo, fica tudo ali, fica o ponto marcado. Naquele ponto, naquele marco, naquele local, deixei ficar o meu ponto final. O final marcado no ponto que tinha de ficar, ficou só, mas ficou no seu lugar. Ficou o desaire de alma, como um ponto manchado, enxovalhado, mal tratado. Eu segui desse ponto para a frente, segui em busca de outros pontos, de outras gentes. O ponto marcado ficou no seu lugar de ponto abandonado, de ponto só, marca, sinal, presença, passou a passado, a ponto distante, a mancha indefinida, a ponto apagado.

10 comentários:

eugostomuitodaspernasdajoaninha disse...

Joaninha

E p(r)onto, mais um texto muito giro. Faz-me lembrar o ponto final que vai à festa de asteriscos e em que tudo fica a olhar para ele e não querem que ele fique porque aquilo é mesmo uma festa de astericos. Ao fim de um tempo, impaciente vira-se: "então um gajo agora não pode pôr um bocado de gel?".

Depois há a anedota da exponencial, mas essa é mais rebuscada.

Jeitoooooooooooosa!

apiadadaexponencialequeefixe disse...

Oooooooooooooh, conta lá a piada da exponencial!!!

Abobrinha disse...

OK, eu conto a anedota da exponencial:

Uma função exponencial vai a uma festa de funções, mas fica no canto, um pouco aborrecido.

Chega uma outra função e pergunta-lhe:

- O que é que se passa contigo, aqui no canto? Integra-te, integra-te!

Ao que responde a função exponencial:

- Eu bem que me integro, mas fico sempre na mesma!!!

Abobrinha disse...

Oooops! Definitivamente eu e o anonimato não nos damos bem!

Krippmeister disse...

Este ponto é aquele entre o ponto "f" e o ponto "h", ai... como é que se chama...?

Abobrinha disse...

Herr K

Muuuuuuuuuuuuuito melhor que qualquer piada de exponencial!!!!

Ou então o ponto será a função g(x)=e^x Máaaaaaaaaaaaaximo! Grande artista!

antonio disse...

E tudo isso cabe num ponto, em circulo fechado etalvez curvo como o universo.

Anónimo disse...

gostei muito

Anónimo disse...

Muito bom!
Fiquei só com uma dúvida no início é um ponto sem "tento" ou sem "texto".
Então até amanhã.
Bjs tia

Joaninha disse...

Tia,

Era sem texto mas como eu não leio o que escrevo dá nisto. Vou já emendar,
Gracias!