segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Tempo

O tempo tem os pés pequeninos, passa sem fazer nenhum barulho, passa ao de leve, de mansinho.
O tempo tem pés pequeninos, delicados, nem os sentimos mas ficam marcados, no rosto, no corpo, no espaço.
O tempo tem pés de menino, menino pequeno que parece que não pesa, mas que se vai tornando pesado, à medida que o tempo vai passando, com os seus pequenos pés de lã de cordeiro, vai deixando atrás de si pegadas pequenas na pele, como impressões na neve, do tempo que já passou sem dar por isso.
O tempo tem pés pequeninos, mas corre rápido como o vento, destrói como gigante grotesco, destrói sonhos e momentos, destrói casas, países, gentes, terras, mentes.
O tempo tem pés pequeninos como os de um menino, mas cura quase tudo, murmurando no ouvido doente palavras de futuro em frente, promessas de melhores alturas, melhores dias, mais contentes, porque o tempo em si é uma promessa que amanhã vai ser diferente, que ainda há tempo, mesmo que ele passe correndo com os pezinhos pequenos cobertos de lã branca de cordeiro que não se sente.

7 comentários:

Jose Gonçalves disse...

Olá Joana

Como eu gostava de concordar com o que escreveu. Comigo e na minha idade o tempo tem pés de elefante e faz questão me pisar bem forte para não me esquecer que vai passando.
Sabia que Joana é o nome de minha filha mais velha?
Uma boa semana
José Gonçalves

Krippmeister disse...

Muito bom :-) tens guardado estes textos, ou so existem aqui no blog?

antonio disse...

"com os seus pequenos pés de lã de cordeiro, vai deixando atrás de si pegadas pequenas na pele, como impressões na neve, do tempo que já passou sem dar por isso."

Joaninha, um bom texto, mas tens que fazer como eu faço: trabalhar muito mais! Um texto só está pronto no dia seguinte, depois de umas 20 revisões. (e não cinco minutos depois de lhe termos escrito a primeira versão)

Por exemplo, este precisava de ser trabalhado até ficar todo ao nível da excelente frase que eu destaquei. A ideia está lá, o talento tens tu, só falta o trabalho. Essa foi a grande lição que tenho aprendido na minha formação.

Abobrinha disse...

Joaninha

Para mim o texto está excelente. Se o trabalhares muito és capaz de te candidatar a ter um rabo gordo, mas isso sou só eu a ser má língua (também sou, mas em ocasiões seleccionadas).

E parabéns, porque o tempo te tem tratado bem. E porque hoje é dia da Joaninha.

Anónimo disse...

Parabéns! Parabéns! Que tenhas um dia super.
Gostei muito do texto,não sei se foi escrito impulsivamente ou não, mas gostei...Já estás a pensar no passar dos anos? Tem calma...
Bjs grandes de parabéns
Tia Guida

Joaninha disse...

Aqueles que sabiam fica um beijinho e obrigada pelos parabens ;)

Krippa,

Tenho so texto todos guardados, aquilo que ponho no blog não são as versões finais, são os esboços iniciais dos textos. Maior parte deles ainda estão em fase de revisão.

António,

Estes texto que ponho aqui são "rascunhos" (a maioria). Mas tens razão, trabalhar os textos é importante, não é uma coisa que goste de fazer, até porque maior parte das vezes acabo por apagar tudo.

José,

Já sabia que a sua pequena se chamava Joana, já me tinha dito.
São todas um bocadinho malucas mas optimas pessoas, modestia à parte :)
Uma boa semana.

Tia Guida,

É um espetaculo esta tia!

Gipsy Queen disse...

Está lindo, mesmo! Eu também acho que trabalhar os textos é importante, mas acho que as versões originais são sempre muito mais emocionais e verdadeiras e isso é o que dá encanto às palavras

Pupa**