segunda-feira, 13 de abril de 2009

Apontamento

Tenho folhas de papel aos milhares e centenas de milhar de pensamentos, e no entanto os dois não se tocam, não se escrevem, não formam um corpo coeso. Não consigo que se esparramem no papel imaculado, que tão imaculadamente reflecte a luz branca cega do sol, coberto de nuvens cinza, de um dia tão perfeitamente de primavera.
O dia caminha lá fora, desenrolando-se como se espera, num dia normal, frio mas já mais morno de primavera.
As nuvens abrem buracos que mostram que o céu ainda é azul, não mudou de cor, e que o sol ainda aquece quando de nuvens grossas não padece. O vento sopra ligeiro e as árvores dizem-lhe Adeus com os ramos cobertos de rebentos verdes, prova provada da primavera, mesmo nos dias em que ela se esquece e deixa voltar o inverno frio, ainda assim menos frio do que era.
Então, procuro em entre os interregnos da nublusidade primaveril, um estética coerente para o derrame cerebral iminente das centenas de milhares de pensamentos que me ocorrem a cada momento, no entanto nada...As nuvem mantêm-se nos seus afazeres cobrindo e descobrindo o sol, como roupa vaporosa pelo vento batida, e eu no meio de pensamentos incoerentes vou traçando pequenas linhas nos milhares de folhas brancas.
Risco, rabisco, escrevinho, escrevo, faço notas de rodapé no livro de um determinado pensamento, se não o faço esqueço.
Leio, na horizontal, na vertical, na diagonal, hoje não é dia de criação, é dia olhar para dentro.

14 comentários:

Carol disse...

Há dias assim...

A Gata Christie disse...

Tenho um miminho para ti no meu blog.

Quanto ao apontamento, estou certa que um dia destes temos posts fantásticos para ler. A prová-lo está o de hoje!

manuel gouveia disse...

Deve ser um livro muito interessante!

Joaninha disse...

Manuel,

Chama-se prosas intimas e de autoconhecimento do Fernando Pessoa. É muito interessante!

Joaninha disse...

Gata,

amanhã trato disso :)
Obrigada

beijos

Krippmeister disse...

Se são íntimas se calhar não é pra andares a cuscar nas prosas do homem. Já pensaste nisso?

antonio - o implume disse...

Pensei que tudo isto era o resultado da leitura do meu último post! Afinal é só por causa do Fernando Pessoa...

Blondewithaphd disse...

Hmmm.... também és daquelas cujo neurónio fervilha e fervilha e não pára um instantinho? Join the gang, girl!:)

Daniel Santos disse...

Belíssimo apontamento.

El Matador disse...

A angústia do guarda-redes no momento do pénalti.

alf disse...

Bela prosa.

Às vezes, a questão não é a necessidade de olhar para dentro; são apenas as hormonas a quererem entrar em acção, a gritarem por atenção, a chamarem por um sonho, um desejo, um entusiasmo.

alf disse...

Ah, já me esquecia, o exercício físico é importante - andar a pé!

(Creio que era o Kant que todas as manhãs dava um passeio a pé enquanto pensava)

Bem, para além disto há uma lista interminável de truques para enfrentar o vazio de inspiração... mais uns anitos e poderás publicar um livro sobre isso rsrsrs

Abobrinha disse...

Dia de olhar para dentro... é muito bom fazer isso de vez em quando. E um prazer quando se tem coisas bonitas para ver!

Salto-Alto disse...

Como te compreendo... Tenho passado pelo mesmo!