domingo, 8 de abril de 2007

Um castelinho.

(Desenho by Bruno Krippahl)

As nuvens, cor de carvão queimado, com laivos de cinza e tons branco sujo, anulam os verdes rasteiros que rodeiam o castelo de granito prateado, emprestando ao mar, no meio de tanto azul carregado, pequenos traços de brilho apagado.
Empoleirado, olhando de assustadoramente perto o penhasco, o castelo, perdido no tempo, taciturno e cinzento, luz e apaga, conforme o sol e o vento.
Olhando pela janela, directamente para o mar, ela, sentada, espera.
Quem sabe se do meio do mar azulado não sai, vestido de prateado, o seu cavaleiro andante, o seu amado.

9 comentários:

Krippmeister disse...

Pintas quadros fabulosos com palavras. O blog é uma tela que nunca se esgota, aproveita.

maria disse...

Joaninha,

um beijo e parabens pelos dois quadros ( fotografia e poema).
Quando jantamos outra vez?
Beijos,
maria

Joaninha disse...

Hihihi!!
Sou a campeã da pedinchisse de imagens!!
Desenhos roubo ou cravo ao Krippahl e fotos roubo ou cravo á Tété...

Krippmeister disse...

Crava à vontade! Tenho muito gosto em aparecer no Joaninha :)

Bjão!

Joaninha disse...

Bem vinda ao Joaninha maria, apartir de agora quero muuuiiitos comentários
Beijinhos e a ver se combinamos um dia para outro jantar, desta vez sem computador!!!
hihihi

miguelav disse...

...

Ana disse...

sem comentários...genial a fotografia e o texto claro....só para dizer que me veio logo à cabeça o ar da Gabrielinha..."Madrinha é o Farol""""
O cinzento a humidade e a espera estavam lá a esperança no desconhecido também...quanto ao amado mais uns anos e aparece!

Bj Ana

Joaninha disse...

Não e fotografia é desenho mesmo, não sei muito bem se é aguarela ou o que, isso tem de perguntar ao Krippmeister, é da autoria dele.

Krippmeister disse...

A técnica é a de aguarela, mas com tinta-da-china preta em vez de aguarelas.
Basicamente o papel é humedecido só com àgua, criando os limites da area a pintar, depois, ao aplicar a tinta, ela espalha-se apenas dentro da parte molhada do papel. Assim consigo definir bem as formas como a casa, ou o penhasco, mas ao mesmo tempo pintar com gradações subtis.