quinta-feira, 27 de maio de 2010

Amor by José Maria CC

Num gesto, fausto
grito, teu perfil agudo
angular, aflito
corta ar, fende universo
invade o calor do verão.

Nuca esguia, longo colo
em espádua larga

estremece e assenta
e o mundo inteiro sustenta

Desse sustenido grito
amor, subtil, se ausenta
O ar é gélido, o mar
envolve teu olhar
de verde, fluido espaço

Nunca perfil de garça
tão gracilmente passou
pisou o solo

A ameaça é sempre
que, em voo inesperado
no azul desapareças

Aqui ficarão apenas cinzas
mãos vazias de asas
aqui olhos e marés
rasos de água, sem destino

Teu voo será, no entanto
meu hino
voa portanto ...

7 comentários:

Krippmeister disse...

Muito bom :)
Só preferia qu eo fim fosse mais feliz, mas pronto. Sempre fica mais de acordo com a realidade.

alf disse...

Ena que giro!!

Estou de acordo com o Kripp... já sabes que tristezas não é comigo, se fosse seria poeta rsrsrs... mas deste a volta muito bem no fim. Gostei muito, forte, fresco, belo e agil como a Garça...

Joaninha disse...

Alf, agradeço o elogio mas o poema não é meu, é do José Maria CC, vulgo, meu paizinho querido..


Krippa,

Não acho o fim necessariamente triste...

beijos

JP disse...

Tal pai, tal filha. :-)
Gostei de o ler. :-)
Beijitos

Ninja! disse...

Gostei muito de ler. :)

Bjo.

jm disse...

Nothing can cure the senses,
just as nothing can cure the soul

Pat FInnegan

excrypum

Rafeiro Perfumado disse...

Sem vuvuzelas incluídas, portanto...